Review: Grand Theft Auto 3

Por Sérgio Oliveira

Review: Grand Theft Auto 3 - PlayStation 2 Imortal

Ficha Técnica

Ano de Lançamento: 2001

Produtora: Rockstar Games

Gênero: Ação/Sandbox

Número de Jogadores: 1

 

Grand Theft Auto 3 não foi apenas mais um título da série GTA, mas sim “o título”. Lançado inicialmente para Playstation 2 em 2001, o jogo trouxe a mesma polêmica e controversia da série em um novo visual totalmente revolucionário. Abandonando o antigo estilo 2D com visão de cima, GTA III foi o primeiro jogo da série a ser totalmente em 3D – muito mais do que isso, foi o primeiro jogo de todos os tempos que teve uma cidade metropolitana totalmente em 3D com um mecanismo de jogo jamais visto até então.

 

Faça o que quizer e quando quizer

Review: Grand Theft Auto 3 - PlayStation 2 Imortal Grand Theft Auto 3 possui uma jogabilidade ímpar e jamais usada até então – combinando os elementos dos jogos de terceira pessoa, ação e corrida em gráficos totalmente em 3D – o jogo surpreendeu. Apesar do conceito sandbox já fazer parte de GTA desde a sua primeira versão, em GTA 3 a possibilidade de explorar o mapa, fazer o que quizer e quando quizer ganhou novo fôlego.

Ambientado na fictícia métropole de Liberty City, você assume o papel de Claude Speed, um bandido mercenário que foi traído por sua namorada Catalina e ficou preso por 9 anos até fugir com seu amigo 8-Ball. Sua missão na cidade? Se envolver com os mais perigosos gangsters, máfias, traficantes e drogados para ganhar o máximo possível de dinheiro e vingar a traição da sua ex-namorada. Para conseguir tal objetivo, você deve completar missões das mais diversas naturezas (todas politicamente incorretas, mas divertidas a berça).

Roubar carros, pegar prostitutas, assassinar membros da máfia inimiga, esconder cadáveres e vender drogas para viciados são algumas das missões “básicas” do jogo. Convenhamos que fazer isso na vida real não é uma boa idéia, mas fazer no vídeo game é bastante divertido. A Rockstar Games apostou na fórmula do politicamente incorreto para divertir o público e deu certo. Mas deu mais certo ainda por você não ter que fazer isso em sequência – senão seria muito chato.

Review: Grand Theft Auto 3 - PlayStation 2 Imortal Cumprir as missões é essencial para progredir na história e fechar o jogo, porém não são necessariamente obrigatórias. O jogo é totalmente não-linear. Se quizer deixar as missões de lado para ficar explorando a cidade, zuando os 4 milhões de habitantes, tirando os policiais, o FBI e a Swat, fique a vontade. O jogo oferece inúmeros mini-games bastante divertidos, e alguns bem violentos, que garantem a diversão do jogo.

 

Cheiro de controversia no ar

Pela sua “diversão” mais do que adulta, GTA 3 foi alvo de inúmeras críticas e causou uma tonelada de controversias. Até o lançamento do título original em 1997, não era comum a indústria dos games soltar jogos tão controversos – salve Duke Nuken, Doom e outros do gênero. A possibilidade de assumir um personagem 100% politicamente incorreto foi a grande aposta para GTA, apesar disso não ter feito muito “barulho” nos dois primeiros games (e suas “expansões”). Porém com GTA 3 a coisa mudou de figura.

Review: Grand Theft Auto 3 - PlayStation 2 Imortal Com o nível de detalhes obtido graças aos gráficos 3D, agora era possível distinguir uma puta de uma “moça direita” e um policial de um branquelo playboy. Pior que isso, você poder ver que existia a possibilidade de matar um policial, atropelar os “da lei” e ter uma transa com uma prostituta chocou muito mais do que as missões propriamente dita. Isso foi o suficiente para que inúmeros processos e “testemunhos” contra o jogo.

Várias ações judiciais foram movidas contra o jogo, a Rockstar foi imposta a várias multas e GTA 3 teve sua venda proibida em vários países e em algumas redes de vendas nos EUA. Acusado de formar indivíduos sociopatas e distorcer a realidade invertendo os valores psicológicos dos gamers, GTA 3 acabou não sendo páreo para o selo de “Mature” atribuido a ele.

 

Diversão garantida

Apesar de todo o criticismo e de toda censura imposta ao jogo, GTA 3 foi muitissimo bem recebido pela imprensa que o achou revolucionário. Afinal de contas do que o jogo trata é uma coisa e a forma como ele se mostra tecnicamente é outra. Descartando por completo seu passado gráfico 2D, GTA 3 entrava de cabeça no mundo tridimensional – e com estilo.

Review: Grand Theft Auto 3 - PlayStation 2 Imortal Unir criminalidade com realismo 3D deu muito certo em GTA 3 – mas quando falo 3D é 3D de verdade. A Rockstar Games caprichou no trabalho e nos ofereceu uma verdadeira obra prima dos vídeo games. O personagem está muito bem trabalhado e articulado, os “figurantes” também estão com um nível de detalhe incrível. A cidade então nem se fala – tudo foi minusciosamente modelado para oferecer uma grande imersão no ambiente do jogo. Os carros são baseados em alguns modelos “populares”, trazendo algumas características desses. Agora junte tudo isso com a ilegalidade e veja que sua diversão está feita.

Sair no meio da rua batendo no povo com um taco de baseball e vê-los sangrar até a morte é bem divertido. Atropelá-los então nem se fala. Fora a possibilidade de ficar brincando de bate-bate com os carros e vê-los voando e dando piruetas no ar como se fossem de papel. E que tal dar aquela buzinada para aquela gata na pracinha para uma noite de amor? Ela não fez o serviço direito? Então meta bala hehehe. Tudo aquilo que você gostaria de fazer na vida real e, politicamente, não pode, sinta-se livre para fazer em Grand Theft Auto 3. Mas não é só isso.

O realismo do jogo não fica atrelado ao “grosso” dos gráficos, mas também aos detalhes. É incrível como a Rockstar conseguiu trabalhar a temporização do ambiente – nitidamente você consegue ver os dias anoitecendo, com aquele pôr-do-sol fantástico, e amanhecendo com uma densa neblina de inverno. Isso sem falar na chuva que cae de vez em quando trazendo consigo raios e relâmpagos de fazer medo. A iluminação do jogo também é um espetáculo à parte – as luzes dos postes conferem um ar diferente ao ambiente de Liberty City e caso haja muita neblina, você verá facilmente que a luz fica difusa pelo cenário, em um ambiente meio opaco.

Review: Grand Theft Auto 3 - PlayStation 2 Imortal A qualidade gráfica e técnica alcançada pela Rockstar é de tirar o chapéu – algo nunca visto até então para um jogo “sem regras”. O pior é que apesar de permitir fazer inúmeras coisas, a jogabilidade é extremamente simples. Pilotar um carro é simples, andar à pé idem e de avião? Também! Nada que dois minutos com o controle na mão não resolvam. Tem problemas para atirar, acha difícil? Não se preocupe! Existem academias nas lojas “Ammunation” que você pode praticar – ou então praticar na população, bem mais divertido! Tudo foi pensado para que o jogador tenha a experiência mais agradável possível em um jogo cru à berça.

Com tamanha qualidade técnica e gráfica, a imprensa e os críticos consagraram Grand Theft Auto 3 um dos jogos que mais influencia (e não inflenciou) a indústria de todos os tempos!

 

Conclusão

Controversia e polêmica não foram suficientes para derrubar GTA 3 (e muito menos a franquia Grand Theft Auto), pelo contrário – a fortaleceu bastante. Grand Theft Auto 3 revolucionou a indústria dos vídeo games e criou um novo estilo de jogo que permite ao jogador explorar todo o mapa, sem o mínimo de compromisso, fazendo dele e das coisas ao seu redor o que bem entender.

Review: Grand Theft Auto 3 - PlayStation 2 Imortal É claro que o jogo ainda tinha alguns defeitos técnicos e gráficos – por exemplo, o Claude não nadava – que foram corrigidos nas versões seguintes. Aliás, todos essas versões de GTA que saíram entre GTA 3 e GTA 4 foram todas versões baseadas na mesmíssima engine de GTA 3, que foi recebendo melhorias pouco a pouco. Vejam que a engine era tão poderosa que só foi ser totalmente aprovietada em Grand Theft Auto: San Andreas!

O jogo impressiona não só pela sua violência e temática adulta extrema, mas também pelos detalhes gráficos e técnicos. Ah, ainda tem a trilha sonora que, a partir desse título, se tornou marca registrada da franquia. A possibilidade de escolher entre várias rádios disponíveis no seu “toca-fitas” do carro é muito interessante, não só por você pode selecionar rádios, mas por poder escolher entre músicas de estilo que agradam a todos os gostos – desde anúncios publicitários até aqueles hip hops da costa leste que só falam em armas, putas e drogas, algo bem estiloso mesmo.

O resultado está aí – o jogo foi o mais vendido do ano de 2001 (mesmo sendo lançado praticamente no final desse ano, em Outubro) e impulsionou a série para uma nova era. Me arrisco a dizer que houve uma indústria antes e outra indústria depois de Grand Theft Auto 3, pois foi ele o responsável por delimitar os limites do “aceitável” pela sociedade no que diz respeito a jogos.

Uma obra prima dos vídeo games que merece ser jogado e rejogado sempre que possível!

6 Responses to “Review: Grand Theft Auto 3”


  1. 1 Kratos Imortal maio 1, 2009 às 9:55 pm

    A franquia GTA eu comecei já no Vice City, e por isso nunca joguei nem procurei pelo GTA III,mas imagino como deve ter sido o bafafá na época em que ele saiu. Eu não gosto de ficar seguindo as missões nos GTAs, algumas são legais outras chatas pra burro, por isso gosto de jogar mais pela liberdade que o game em si proporciona, e por poder “matar” algumas pessoas… hehehehehehhe! Excelente análise Sérgio!

  2. 2 André Breder maio 2, 2009 às 12:42 am

    Assim com o Kratos, eu não sou muito “habilidoso” nas missões dos GTAs, e algumas eu acho tão chatas que acabam me fazendo desistir de continuar seguindo o roteiro do jogo. Agora é realmente incrível a liberdade que se tem em um jogo da franquia, com suas cidades enormes. Certa vez passei uma tarde inteira sem cumprir uma única missão no GTA San Andreas, tendo ficado apenas me divertindo de forma mais aleatória.

    E parabéns Sérgio por mais esta bela análise! Ficou show de bola!

  3. 3 Alex Kidd maio 2, 2009 às 11:38 am

    Esse GTA 3 foi revolucionario quando saiu! Nunca avia jogado algo tao complexo antes! Bela análise e gostei do blog!

  4. 4 Alex Souza maio 2, 2009 às 6:09 pm

    WTF!!! GTA 3!!! Matei muita gente inocente neste daí!

  5. 5 WILLIAN janeiro 27, 2010 às 1:41 pm

    NESTE JOGO TEM CMO JOGAR DE DOIS?

  6. 6 arthur março 13, 2012 às 3:04 pm

    arthur eu gosto de gta e si voce deixava eu joga eu jogo para ceipre mais sivoce nao deixa eu nao vo joga mais


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




PlayStation 2 Imortal

Venha relembrar aqui os grandes clássicos do 128 bits da Sony!
maio 2009
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Blog Stats

  • 286,907 hits

%d blogueiros gostam disto: